AVISO AOS VISITANTES!

Bem vinda(o) aos PEQUENOS DELITOS RENOVADOS.
É um blog que mistura poesia e sacanagem (não nessa ordem). Suas contribuições (fotos, poemas, idéias) serão importantes para o blog. Sinta-se dono e ator principal desse blog.
A mais importante participação é sua visita. E claro, seus comentários...
Contate-me.... aguardo você no e-mail do blog: delitosdosexo@gmail.com

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

DEVOÇÃO

Lamber-te é meu ato maior de paixão
É minha devoção estabelecida
É a dependência que meu corpo tem do teu...
Te chupo na ânsia de proporcionar-te
O maior prazer do mundo...
De oferecer-me à doce escravidão de teu corpo...
Te amo com a língua, duplamente:
Falar-te de amor e fazer-te amor
Tornando-me cada dia mais seu...

O gozo que me dá teu gozo é indizível...
Bebo-o, com o gosto do néctar de qualquer estrela
Que ilumina tua noite...

                    PDR, fevereiro de 2018


sábado, 3 de fevereiro de 2018

UNIVERSO DO TEU CORPO

A impossibilidade de fazer-me teu
Me alucina
A incapacidade de tocar teu coração
É minha sina. 

Olho teu corpo como uma miragem
Palpável
Imagino-me teu amante amado
Inalcançável. 

Resta-me o consolo de sonhar-te, e amar-te
Como se hoje fosse o último dia.
Pois teu corpo é a linha tênue
Que separa meu desespero de meu amor. 
PDR, fevereiro de 2018

sábado, 27 de janeiro de 2018

ENTERRO-ME EM TI

"Enterro-me em ti, com o desespero de minha carência.
Enterro-me forte. Alucinadamente. Desesperadamente.
Desenterro-me com a necessidade de entrar e sair de teu corpo.
Como se a cada estocada, eu pudesse multiplicar meu amor.
Sinto a umidade do teu interior. A umidade que me seca a alma.
Sinto o estremecer de teu corpo a cada instante que penetro-te.
Observo a paisagem alucinante que é teu corpo sob meu domínio.
Desfaço-me em gozo, paixão.
Minhas enterradas são a transformação física na qual nos desfazemos.
Nosso amor é sólido e nosso gozo é líquido."
                                                                        PDR, junho de 2015
 

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

A FLOR DO TEU VENTRE

Nem sei o que faço
Dessa flor inóspita e inatingível
Que carregas no teu ventre
De mulher-amante

Não sei o que  eu faço de ti.
Cujo corpo me corrompe os sentidos
E que me deixa os orgasmos
Saciados a cada instante.

Nem sei o que faço de teu sexo
Meu mundo, meu nexo.
Quero-o todo por inteiro
Olhá-lo, comê-lo, por fora e  por dentro.
                       PDR, janeiro de 2018



segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

TUA VAGINA

Tua vagina  é áurea flor.
Impulsiva, otimista e generosa
Copo-de-leite que se abre e fecha ao sabor
De nosso tempo.

Tua vagina é flor
De pétalas invertidas
Que captam e adornam o pênis
Pistilo invasivo
E recobre o leite do bico
Do pênis-beija-flor.

Tua vagina tem vida própria.
Meu pênis tem vida própria
E ambos se fizeram uma só vida
Em uníssonos prazeres.
                      PDR, Janeiro de 2018